I Know Why The Caged Bird Sings de Maya Angelou

  • Editora: Virago Press
  • Páginas: 281
  • Ano da Primeira Publicação: 1969
  • Género: Não Ficção/Autobiografia
  • Publicado em Portugal pela Editora Antígona com o título Sei Porque Canta o Pássaro na Gaiola

Classificação: 5/5

A minha estreia com a obra de Maya Angelou não podia ter ocorrido com livro melhor. I Know Why the Caged Bird Sings é o primeiro de cinco volumes da autobiografia de Maya Angelou que acompanha os primeiros dezassete anos da vida da Autora.

Maya Angelou foi atriz, poetisa, dançarina, motorista de autocarro, cantora, escritora, poetisa, editora, realizadora e uma das principais vozes na luta pelos direitos civis dos negros nos Estados Unidos da América ao lado de Martin Luther King e Malcolm X.

Neste primeiro volume da sua autobiografia, ficamos a conhecer toda a infância de Maya, ou Marguerite Johnson – seu verdadeiro nome -, desde o momento em que ela é recambiada pelos pais recém-divorciados para Stamps, Arkansas, para ser criada pela sua avó até ao nascimento do seu filho aos 17 anos. Nesta primeira fase da sua vida, Maya conhece, de forma próxima, os efeitos da segregação racial, a dor física e psicológica da violência sexual, a pobreza e a falta de amor próprio provocada pela rejeição parental.

” He held me so softly that I wished he couldn’t ever let me go. I felt at home. From the way he was holding me I knew he’d never let me go or let anything bad ever happen to me. This was probably my real father and we had found each other at last.”

Mas desengane-se quem pensa que I Know Why the Caged Bird Sings é um livro sobre desespero, dor, sofrimento. É certo que todos estes elementos estão presentes mas, na verdade, a história de Maya é sobre esperança, alegria, perseverança.

“I was liked, and what a difference it made. I was respected not as Mrs. Henderson’s grandchild or Bailey’s sister but for just being Marguerite Johnson.”

Profundamente terna e inspiradora, a narrativa de Maya aborda aspetos fascinantes do quotidiano vivido numa pequena cidade no Sul dos Estados Unidos por contraposição ao vivido em cidades maiores da California. A Autora descreve, com mestria, os atos humilhantes a que ela e a sua família eram sujeitas pelo facto de serem de raça negra, independentemente da cidade onde estavam. Ao mesmo tempo que ultrapassava uma agressão sexual sofrida aos 8 anos e a consequente morte do seu autor, Maya vai nos mostrando, aos poucos, uma enorme vontade de motivar a mudança e lutar pelos direitos civis dos seus pares.

“The white kids were going to have a chance to become Galileos and Madame Curies and Edisons and Gauguins, and our boys (the girls weren’t even on it) would try to be Jesse Owenses and Joe Louises.”

Apesar de se tratar de uma autobiografia, Maya recorre a uma técnica de escrita típica da ficção enriquecendo a narrativa com diálogos e apresentações riquíssimas das pessoas que com ela se foram relacionando desde o cúmplice irmão Bayley, a beata avó Momma, o tio com uma deficiência física Willie, a errática mãe Viviane e o sedutor pai Bayley.

I Know Why the Caged Bird Sings é um livro ímpar que não deixa ninguém indiferente. A história de uma vida repleta de lutas mas também de vitórias que nos inspira e apaixona.

Queres ler este livro? Podes encontrá-lo aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *