A Noite em que o Verão Acabou de João Tordo

Disclaimer: O presente livro foi uma oferta do Editor.

Uma estreia sólida num género, estranhamente, pouco explorado em Portugal.

João Tordo é dos Autores nacionais mais aclamados nas redes sociais e blogosfera. Por essa razão, era dos Autores que eu mais curiosidade tinha em ler. A oportunidade ainda não se tinha proporcionado porque as recomendações eram pouco consensuais e, por conseguinte, ainda não me tinha decidido quanto ao livro de estreia. A Companhia das Letras acabou por decidir, por mim, ao enviar-me o mais recente romance do Autor que, na verdade, até é um thriller. Sendo eu fã do género, naturalmente, fiquei eufórica. Isto porque o thriller nunca conquistou verdadeiramente a literatura nacional. Não sei se por preconceito ou causas puramente culturais, a verdade é que Portugal não tem grande tradição no policial/thriller/mistério, seja na literatura ou no romance. Acho, até, que o único ivro nacional do género – que eu li e devorei – foi, precisamente, o Mistério da Estrada de Sintra de Eça de Queirós e Ramalho Ortigão. Assim, acaba por ser interessante ver um Autor como Tordo criar uma história à volta de um crime sórdido.

O universo d’A Noite em que o Verão Acabou é português. O protagonista, o aspirante a escritor Pedro Taborda conhece, com treze anos, uma adolescente americana, por quem se apaixona perdidamente. O cenário é o Algarve dos anos 80 quando a internet e os telemóveis não faziam parte do quotidiano dos adolescentes portugueses. Taborda idolatra a jovem Lolita que se pavoneia pela cidade Algarvia com os pais milionários e a irmã mais nova. São os Walsh, vem ele saber, família norte-americana de muitas posses e negócios. Apesar das diferenças, Taborda lá consegue conhecer os Walsh e travar amizade com a sua amada, de nome Laura. Decorrem dez anos e, em 1998, o nosso protagonista narra-nos a sua vida em Nova Iorque, onde procura se transformar num grande escritor, com a ajuda do seu mentor, Gary List. Isto até receber uma chamada de Laura que lhe pede ajuda porque o seu pai foi assassinado e a irmã presa.

João Tordo experimentou um novo género e piscou o olho a Agatha Christie e a Arthur Conan Doyle, entre outros. O escritor Português tem uma estreia sólida no mundo dos thrillers, conciliando a sua impecável escrita e um enredo surpreendente. Há uma clara preocupação com a construção de personagens convincentes e carismáticas sendo que todas nos são apresentadas com algum detalhe. O romance é narrado na primeira pessoa por Pedro que divide-se entre a lascívia por Laura, a ambição profissional e a vontade de desvendar o mistério por trás da morte de Noah Walsh, mais por vaidade do que por outra qualquer razão. Talvez por essa razão, Pedro não me convenceu, enquanto personagem. É, claramente, um rapaz fútil, aborrecido, sem especial apelo ou talento.

Por outro lado, o livro está dividido em duas partes sendo que, aí residiu, outro ponto mau da narrativa. Isto porque a forma como as mesmas são desenvolvidas é díspar. Por um lado, temos uma primeira parte extremamente desenvolvida e focada mais no Pedro e nas suas paixões e frustrações pessoais, sendo o crime um elemento importante mas não determinante.

Na segunda parte, encontramos um thriller muito bem estruturado onde as revelações são negras, chocantes e deveras surpreendentes. A primeira parte acabou por fugir ao género e ao tipo de narrativa que eu procurava. Senti que o Autor começou o livro com uma intenção e, a certa altura, lembrou-se que, afinal, queria um thriller. Tão distinto tratamento comprometeu a coerência da própria narrativa que, em alguns momentos, parecia dizer respeito a livros diferentes. Ainda assim, é inegável que foi uma interessante estreia num género tão pouco desenvolvido em Portugal. De notar que o final foi digno de um grande thriller nórdico. 

Sobre o livro:

14 de Setembro de 1998. O dia em que Chatlam, uma pequena vila americana, acordou em choque com o homicídio de Noah Walsh. O principal suspeito: a sua filha de dezasseis anos.

No Verão de 1987, o adolescente Pedro Taborda apaixona-se por Laura Walsh, a filha mais velha de um magnata nova-iorquino. Ela e Levi – uma criança misteriosa – passam férias com os pais no Lagoeiro, uma pacata cidade algarvia. Rica e moderna, a família Walsh tem tudo para dar muito nas vistas no sul de Portugal. Inebriado pelas formas perfeitas e pelos modos ousados de Laura, Pedro encontra na rapariga americana o seu primeiro amor. Mas quando o Verão acaba, a família Walsh regressa aos Estados Unidos e o destino fica por cumprir.

Dez anos depois, Pedro, decidido a tornar-se escritor, vai estudar para Nova-Iorque. Fascinado com Gary List, antigo prodígio das letras americanas, chega aos Estados Unidos determinado a perseguir os sonhos da juventude. Ao reencontrar Laura, está longe de suspeitar que esse acaso o mergulhará no crime mais falado dos anos noventa, o homicídio do milionário Noah Walsh. 

Com um segundo homicídio a atrapalhar a investigação e uma corrida para salvar Levi, de apenas dezasseis anos, acusada de matar o pai, Pedro e Laura enredam-se irremediavelmente na teia de segredos que envolve a família Walsh, desde os anos quarenta do século XX até ao impensável desfecho nas primeiras décadas do novo milénio. 

Porque em Chatlam – e neste thriller imparável – nada é o que parece.

Sobre o Autor:

João Tordo nasceu em Lisboa em 1975. 
Venceu o Prémio Literário José Saramago 2009 com As Três Vidas, tendo sido finalista, com o mesmo livro, do Prémio Portugal Telecom, em 2011. Publicou doze romances, entre eles O Livro dos Homens sem Luz (2004), Hotel Memória(2007), Anatomia dos Mártires (2011), O Ano Sabático (2013), Biografia Involuntária dos Amantes (2014), O Luto de Elias Gro (2015), O Paraíso Segundo Lars D. (2015), O Deslumbre de Cecilia Fluss (2017) e Ensina-me a Voar Sobre os Telhados (2018). Foi finalista do Prémio Melhor Livro de Ficção Narrativa da Sociedade Portuguesa de Autores (2011 e 2015), do Prémio Literário Fernando Namora (2011, 2012, 2015, 2016), e do Prémio Literário Europeu em 2012. Os seus livros estão publicados em vários países, incluindo França, Itália, Alemanha, Hungria, Espanha, México, Argentina, Brasil, Uruguai, entre outros. in Wook.

Breve Ficha técnica da Edição lida: 

  • Editora: Companhia das Letras
  • Páginas: 672
  • Ano da primeira publicação: 2019

Queres ler este livro? Podes comprá-lo aqui (e ajudar o blog a crescer) ou requisitar numa biblioteca perto de ti.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *