Livros que chegaram cá a casa em janeiro #2

janeiro foi um mês de grandes aquisições. Isto porque tive a oportunidade de visitar excelentes alfarrabistas onde, a preços fantásticos, pude adquirir obras de Autores que há muito figuravam nas listas de desejados. E é tão bom quando isso acontece! Principalmente, em edições deliciosas e originais (yes, I’m a suceder for old books).

Indo direta ao assunto, os livros que mereceram as míseras moedas que tinha na carteira:

  1. Ravensbrück Campo de Extermínio de Christian Bernadac – O genocídio levado a cabo pelo regime Nazi não é, para mim, um tema fácil. Falta-me estômago para um tema tão doloroso sendo que, no geral, procuro me resguardar do mesmo. No entanto, este título despertou-me a atenção por, adivinhem lá, não falar de Auschwitz, optando, antes por abordar Ravensbrück, um campo de concentração feminino. Pelo que percebi, trata-se de um livro cuja publicação foi interrompida cá em Portugal.
  2. A Mulher de Branco de Wilkie Collins – Sendo eu uma incontornável fã do romance gótico, este era um livro obrigatório. A edição é linda e tem aquela folha amarelada que eu tanto adoro. O livro conta a história do professor Walter Hartright que é regularmente visitado pelo aparente fantasma de uma mulher de branco.
  3. Deus dorme em Masúria de Hans Hellmut Kirst – Este foi um livro comprado num exercício de completa espontaneidade. Não conhecia o título ou o Autor, mas fiquei muito curiosa depois de perceber que se tratava de uma ficção sobre o surgimento do nacional-socialismo numa pacífica cidade localizada na Prússia Oriental. O Autor, segundo a sinopse, era, na altura da sua publicação -1953-, um dos escritores estrangeiros mais lidos e apreciados em Portugal.
  4. Judas, o Obscuro de Thomas Hardy – Claro que depois de ler Tess D’Urbervilles, tinha de adicionar mais livros de Thomas Hardy à minha lista de desejados. Foi com enorme entusiasmo que encontrei Judas, o Obscuro no meio de uma pilha de livros abandonados num armazém em Coimbra. Este é um livro que não tem merecido reedição no mercado Português sendo que a possibilidade de o ter na minha estante apenas se poderia materializar com uma visita a um alfarrabista.
  5. As Bruxas de Salem de Arthur Miller – é uma peça teatral escrita por Arthur Miller, em 1953, baseada nos eventos históricos que levaram à perseguição das bruxas de Salém a partir de fevereiro de 1692, no Massachusetts. O interessante desta peça é que a mesma foi escrita como reação à perseguição de americanos comunistas levada a cabo, na altura, pelas autoridades dos Estados Unidos da América.
  6. O Juiz de Hall Caine – Comprado por recomendação de uma grande amiga, O Juiz de Hall Caine foi, no ano da sua publicação em 1921, o que, hoje, chamaríamos de best-seller. Um livro sobre pecado, justiça e punição com um tom, segundo as críticas, muito moralista.
  7. As Máscaras Finais de Urbano Tavares Rodrigues – Um Autor Português que dispensa apresentações e que há muito queria ler. Este é um livro de contos que pretendo ler brevemente.
  8. De Profundis, Valsa Lenta de José Cardoso Pires – Outro Autor nacional que eu quero muito ler. Este foi comprado ao excelente preço de 2 euros na feira de velharias de Coimbra. Trata-se da narrativa do acidente vascular cerebral sofrido pelo próprio autor.
  9. Jubiabá de Jorge Amado – Jorge Amado é dos escritores que, obrigatoriamente, tenho de ler, este ano. Vou começar com Capitães da Areia, mas como sei que vou gostar, já tenho mais títulos na estante. Jubiabá é dos seus romances mais conhecidos e trata da trajetória da personagem Balduíno, de menino do Morro do Capa Negro a líder grevista em lutas sindicais na cidade da Bahia, Salvador.
  1. A Bruxa do Monte Córdova de Camilo Castelo Branco – Camilo Castelo Branco… um autor incontornável. Editada em 1867, a Bruxa de Monte Córdova “cedo se tornou objecto da atenção crítica de Camilo. Embora tendo alcançado ao tempo um menor êxito comercial que outros títulos romanescos — realidade que Camilo adopta para um exercício irónico sobre os merecimentos das novelas — a verdade que «A Bruxa de Monte Córdova» deve ser “encarada como texto paradigmático do universo ficcional de Camilo e da mundividência que o enforma”, permitindo “trilhar caminhos susceptíveis de conduzir ao âmago desse universo” e perceber que “em Camilo as histórias de amor nunca são apenas histórias de amor. São também preciosos testemunhos da organização sócio-económica de um tempo e de um lugar em que matrimónio e património eram faces de uma mesma e única moeda”. in Wook.
  2. Eusébio Macário de Camilo Castelo Branco – Mais um título de Camilo, desta vez, numa edição incrível do Jornal Expresso.
  3. Estaline – A Corte do Czar Vermelho de Simon Sebag Montefiore, Vol. IV – Não é o livro completo mas apenas um dos volumes publicados pelo Expresso. A ideia é fazer a coleção com exemplares que vou encontrando por aí.
  4. A Segunda Guerra Mundial de Martin Gilbert, Vols. 3, 4, 6, 7 e 8 – Idem.
  5. Hitler – Uma Biografia de Ian Kershaw – Idem.

Que acham destas aquisições?

Boas Leituras!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *