A Verdade sobre o Caso Harry Quebert de Joël Dicker

Um policial glorioso e estimulante repleto de personagens, igualmente, carismáticas e estranhas.

Em 1975, num pequena cidade de Nova Inglaterra chamada Aurora, Nora Kellergan, de 15 anos, desapareceu. Anos mais tarde, o seu corpo é encontrado no jardim do escritor Harry Quebert que parecia gozar, pacatamente, a reforma naquela idílica cidade. Do dia para a noite, o desaparecimento transformou-se num homicídio e Harry passou de ídolo de uma cidade a pedófilo e assassino. A única pessoa que acredita na sua inocência é o seu protegido, Marcus Goldman, jovem escritor à procura do próximo êxito da sua curta carreira. É Marcus quem nos revela o que se passou entre Harry e Nora e quem são os habitantes, aparentemente gentis, de Aurora.

Quando comecei a ler A Verdade sobre o Caso Harry Quebert, procurei algumas opiniões na internet, junto de bloggers e booktubers cujos gostos são bastantes parecidos com os meus. Acho que, até então, não tinha ainda encontrado um livro tão divisivo. Se, por um lado, muitos eram os que exaltavam o talento de Dicker, por outro, não eram poucos os que detestavam A Verdade sobre o Caso Harry Quebert considerando-o, em alguns casos, anedótico e cliché. A parte do cliché, não nego. A história da Lolita assassinada que, se descobre, ter uma vida dupla marcada por promiscuidade e problemas mentais, não é nova (Laura Palmer, alguém se recorda?!). Porém, o facto de algo ser cliché não implica, necessariamente, que seja mau. E no caso, eu acho que não foi.

Este é um thriller deveras estimulante. A narrativa é negra e repleta de reviravoltas sendo que todas as personagens, incrivelmente carismáticas, escondem segredos polémicos. É, portanto, um exemplar do género como deve ser. O leitor sente-se imediatamente absorvido pela história que, volta e meia, lhe troca as voltas sendo que a cidadezinha criada por Joël Dicker tem aquele provincianismo norte-americano, igualmente, trágico e cómico.  Confesso que o devorei em 3/4 dias tal é o interesse que todo o mistério à volta da personagem Nora Kellergan desperta. Dicker cria um enigma denso com inúmeros suspeitos, linhas temporais, histórias contraditórias, pecados escondidos, segredos e envolvimentos. Mas o mais apetecível, em todo o livro, são, sem dúvida, as personagens estranhas. Entre outros, temos um chofer desfigurado, um pastor apaixonado por motas que ouve música, o dia inteiro, num volume capaz de provocar surdez, um polícia sinistro e apaixonado, uma mulher de meia-idade castradora da masculinidade do marido e um milionário sinistro que apanha miúdas, no meio da rua.

A Verdade sobre o Caso Harry Quebert é um policial ao estilo de Twin Peaks, mas sem elementos sobrenaturais e A Sangue Frio. É divertido, surpreendente e, por vezes, complexo. A jovem assassinada, as personagens estranhas, as tentativas de humor absurdo – neste aspeto, Joël falhou redondamente – e os segredos escondidos por uma moralidade coletiva aparente. Sim, a fórmula não é nova. Mas, não é por isso, que não se deve reconhecer a qualidade de Dicker. 

O livro venceu os reputados Prix de la Vocation Bleustein-Blanchet, o Grande Prémio do Romance da Academia Francesa, o Prémio Goncourt des Lycéens e o prémio da revista Lire para Melhor Romance em língua francesa e colocou Dicker na lista dos escritores mais promissores da atualidade. Mereceu uma adaptação televisiva em 2018 pela AMC que contou com Patrick Dempsey no papel de Harry Quebert.

Sobre o livro:

Verão de 1975. Nola Kellergan, uma jovem de quinze anos, desaparece misteriosamente da pequena vila costeira de Nova Inglaterra. As investigações da polícia são inconclusivas. Primavera de 2008, Nova Iorque. Marcus Goldman, escritor, vive atormentado por uma crise da página em branco, depois de o seu primeiro romance ter tido um sucesso. Junho de 2008, Aurora. Harry Quebert, um dos escritores mais respeitados do país, é preso e acusado de assassinar Nola, depois de o cadáver da rapariga ser descoberto no seu jardim. Meses antes, Marcus, discípulo de Harry, descobrira que o professor vivera um romance com Nola, pouco tempo antes do seu desaparecimento. Convencido da inocência de Harry, Marcus abandona tudo e parte para Aurora para conduzir a sua própria investigação. 

Sobre o Autor:

Joël Dicker nasceu em Genève, Suíça, em 1985. A verdade sobre o caso Harry Quebert é o seu segundo romance, com o qual arrecadou vários prémios: Prix de la Vocation Bleustein-Blanchet, o Grande Prémio do Romance da Academia Francesa, o Prémio Goncourt des Lycéens e o prémio da revista Lire para Melhor Romance em língua francesa. O seu primeiro romance, Les derniers jours de nos pères, venceu o Prémio dos Escritores de Genève. O desaparecimento de Stephanie Mailer é o seu quarto romance e confirma a mestria de Dicker no género do mistério literário. In Wook.

Breve Ficha técnica da Edição lida: 

  • Editora: Alfaguara Portugal
  • Páginas: 696
  • Ano da primeira publicação: 2019

Queres ler este livro? Podes comprá-lo aqui (e ajudar o blog a crescer) ou requisitar numa biblioteca perto de ti.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *